PROCURANDO ALGO?

Eu avisei: diversifique sua comunicação

Data: 8 de abril de 2014
Autor: Ediney Giordani

facebook-cryQuem acompanha este espaço ou assina nossa newsletter já estava prevenido: o Facebook mudou e para quem tem páginas, para pior. Não tem discussão, não há fórmulas mirabolantes que somando, dividindo ou diminuindo chegam a um denominador que baseado na tag “tal” faz com que o seu conteúdo apareça na timeline do fã. Não será mais assim, o resumo da ópera está assim: pagou… apareceu, calma, calma… eu explico.

Ainda há algumas saídas, colocar como favorito, acompanhar a página, mas tudo isso irá acabar. Quem trabalha com comunicação e em algum momento usou o Facebook ads ou acompanha a audiência vê que a cada dia seu alcance orgânico diminui ao pé de que seus fãs aumentam, qual é a mágica?

Explicando os miúdos, o Facebook mudou o algoritmo. Quem é perfil terá suas postagens com maior relevância frente as postagens de páginas, principalmente as que não usam fotos e vídeos. Em teoria, o Facebook quer valorizar o conteúdo elaborado nas páginas, as artes, as fotos, os vídeos, gravações, enfim… Quer que você veja coisas interessantes e não apenas postagens com textos.

Você sabia, por exemplo, que o alcance máximo de uma página era em 2012 de apenas 16%? Ou seja, a cada 100 fãs apenas 16 viam suas postagens. Claro, estamos falando aqui do dia a dia da rede excluindo os chamados virais. Então aí vai um número que vai aterrorizar os social media do Brasil afora, uma pesquisa da Agência de Publicidade Ogilvy chegou a conclusão que em fevereiro deste ano apenas 6%, isso mesmo, você não leu errado, apenas 6% dos fãs efetivamente receberam as atualizações da sua página e o número piora com páginas que contam com mais de 500 mil fãs chegando o percentual apenas 2%.

Para grandes marcas tudo muda, mas nem tanto. Com budget garantido para o Facebook ads (anúncio do Facebook), ótimas equipes de Social Media e grandes orçamentos para fabricar os chamados virais, o alcance orgânico em si já é ótimo, com a possibilidade de compartilhamentos praticamente pouca coisa muda. Mas o pequeno empresário… a página com poucos fãs…Hmmm…. fujam para as montanhas.

Enfim, falei, falei e falei mas não disse: o que fazer?

Melhorar ainda mais o trabalho!

What?

Sim, ou você achou que eu iria mandar você sair do Facebook e concentrar sua comunicação em panfletos distribuídos nas saídas dos terminais (é uma grande ferramenta de comunicação também). Não. Você precisa melhorar sua comunicação, você precisa criar ainda mais empatia com sua audiência. Investir em profissionais que tenham capacidade de manter a sua marca viva, e na medida do possível, usar os anúncios do Facebook.

Mas o principal conselho que posso te dar aqui é o mesmo que estamos escrevendo há tempos: diversifique sua comunicação sem acreditar piamente em nenhuma. Sair do Facebook não faz sentido. As pessoas estão lá e muito provavelmente estão felizes em “deixar de receber propaganda” em sua timeline. Não deixe as pessoas pensarem que a sua empresa está fazendo propaganda, gere conteúdo relevante. Faça com que as pessoas sintam falta da sua marca, mas aceite o conselho: diversifique sua comunicação. Esteja disponível em outras redes. Interaja em outras redes. Seja relevante em outras redes.

Depois de ler tudo isso entenda e aqui enfatizo o principal: o conteúdo segue sendo o rei. O Facebook não quer as páginas mortas e, valendo o que vale, tampouco acredito que pense em gerar milhões através de patrocínios, não é isso. O que é claro é que o Face passará por uma grande faxina, se a sua página não estiver de acordo com o que eles consideram bom, gerando engajamento, ela fatalmente será relegada ao mundo dos artigos pagos. Seja interativo. Seja inovador. Seja sincero. Tenha um grande time que possa gerar um grande conteúdo. Assim, com um número de compartilhamentos alto o seu alcance será igualmente um sucesso.

Mostre a sua audiência que a internet é um pouquinho pior sem você e sua marca.

Agora, que você chegou até aqui, e por acaso ainda não viu, dá uma olhadinha neste vídeo.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

 

VOLTAR