PROCURANDO ALGO?

Number26: o primeiro banco compartilhado do mundo

21Fuçando o Facebook me deparo com um texto do  administrador Brasilio Andrade Neto sobre uma modernidade que está estourando agora – e se estourou, não vai ter volta.

Depois do polêmico Uber, AirBnb, Tripda (para viagens), DogVacay (pessoas que se voluntariam para cuidar dos cachorros e gatos durante viagens de seus donos), TaskRabbit (pessoas se oferecem para fazer pequenos serviços para outros) agora é a vez dos bancos entrarem para a economia compartilhada.

Ok, já sabemos que existem clubes de empréstimo há séculos –  lá no Oriente Médio existe um sistema de empréstimo e transferência de dinheiro entre conhecidos desde muito antes da América ser saqueada descoberta pelos europeus – mas e novidade agora é a tecnologia.

Um banco alemão chamado Number26 compartilhou completamente suas agências. Sim, isso mesmo! A maior parte das operações bancárias já são feitas via internet e agências físicas estão cada vez mais ultrapassadas.

Como? Simples! O Number26 fez parcerias com diversas redes de lojas do país e caso alguma pessoa correntista precise depositar ou sacar o seu dinheirinho,  é só acessar o app do banco no celular, gerar um código e fazer a transação em qualquer loja afiliada.

Que tal? De uma tacada só, o Number26 conseguiu 3 mil agências, muito mais do que muito banco centenário.

– Sem filas gigantes com senhas – ou sem, vai saber…
– Sem guardinhas te pedindo para tirar  o sapato na porta giratória;
– Sem um tiozão de bermuda reclamando que “…pra que tantas caixas se só colocam dois pra trabalhar” enquanto vc espera que a fila ande mais rápida já que a hora do seu almoço está acabando…

QUE MARAVILHA!!!!!

Fica a lição ‘praqueles que ainda se esforçam em não ir para o mundo virtual: A tecnologia faz com que muitos empreendimentos ocorram mais rápido do que os regulamentos e corporativismo possam pará-los.

E para os bancos fica a lição de parar de chorar e reclamar e ir atrás das novidade – ou fechar as portas.

Comentários Facebook

 

VOLTAR

Por Aroldo Glomb Jr.
em dentro de:
Internet, Tecnologia