PROCURANDO ALGO?

Vocês lembram do vírus Sexta-feira 13?

E nesta sexta-feira é o famoso Dia do Azar, sexta-feira 13… Vamos combinar que uma das coisas mais azaradas que você pode ter hoje em dia é o seu equipamento receber um vírus, né mesmo?  Por isso, como uma homenagem pequena aula sobre o assunto, vamos aproveitar a data e falar um pouco sobre um temido vírus que assolava PCs mundo afora há alguns anos:  o sexta-feira 13!

Ele tinha tinha este nome justamente porque ele atacava neste dia – ou seja, hoje muitas pessoas estariam desesperadas salvando seus arquivos em disquetes hahahaha. Temos que ter em mente que, naqueles dias, os vírus de computador eram bem mais destrutivos do que os de hoje. O negócio era sério, e era criado para tentar apagar seu HD ou inutilizar o micro de alguma forma. Tudo bem que os vírus de hoje tem outras funções (né Obama?), mas o sexta marcou e muito – na ajuda do desenvolvimento de anti-vírus (firewall) poderosos.

Os vírus era do tipo “bomba-relógio“, ou seja, era programado para se ativarem em determinados momentos – que eram definidos pelos seus criadores. Uma vez infectando um determinado sistema, o vírus somente se tornará ativo e causará algum tipo de dano no dia ou momento previamente definido.  E isso aconteceu de fato, pelos primeiros registros,  dos final dos anos oitenta quando um dos primeiros vírus realmente devastadores para MS-DOS surgiu ( o Jerusalém) deletando tudo  oque aparecia pela frente neste dia (ganhando o apelido Friday 13th).  E quando se espalhou, chegou em muuuuuitos países, em váááárias universidades, alguuuumas instituições e companhias das  mais impotantes. Strike!

Outros bomba-relógio que também marcaram (!) essa fase eram  o Michelangelo e  o 1º de Abril (Conficker), mas pela data do azar, o sexta 13 é até hoje um dos mais famosos – ao lado do Cavalo de Troia.

Viram a importância de, até hoje, ter segurança em seus arquivos, usar a nuvem, Dropbox, etc?

Lição aprendida?  Beleza, sorte nesse dia, amigo 🙂

Comentários Facebook

 

VOLTAR

Por Aroldo Glomb Jr.
em dentro de:
Boas Práticas, Internet, Tecnologia